14 de dezembro de 2012

Crônicas da Márcia: O dom de fazer rir

Bom dia pessoal, vamos conferir a crônica dessa semana? Não deixem de comentar a sua opinião:


Nada mais cansativo do que viagens longas. Pior ainda quando essas viagens são de ônibus pinga-pinga. Mas não quero me ater agora às viagens, mas sim a um problema que algumas pessoas enfrentam quando resolvem ser engraçadinhas, mas no fundo não são. Eu, por exemplo, sempre fui daquelas pessoas que não têm muita noção de quando soltar uma brincadeira, e muito menos de mensurar quanto elas são engraçadas ou não. É por isso que, não raras vezes, passo por situações mais do que constrangedoras quando imagino que uma piada que está na minha cabeça vai fazer rir horrores a rodinha de amigos, e quando de fato a solto, acaba sendo tão sem graça que todo mundo muda de assunto na mesma hora para tentar amenizar o clima de faroeste no ar. Nenhum som! Imagino que em um dos casos do qual acabo de me lembrar, o pessoal à minha volta estivesse esperando o desfecho para então rir. Mas quando perceberam que aquele era o fim muito sem graça da história quiseram me ajudar para que não ficasse mais roxa do que já estava.
E as viagens? Lembrei-me de uma das poucas cenas provocadas por mim, que, pode-se dizer, acabou arrancando risos de uns poucos. Foi num desses momentos de excursão exaustivas, em que as pessoas estão tão entediadas que qualquer coisa pode ajudar. Quem sabe por isso, dessa vez, a brincadeira tenha dado certo. Pior do que estava não podia ficar.
Estávamos fazendo um passeio para outra cidade para promover uma ação de ajuda humanitária. O projeto foi muito animado, e a ida foi super divertida. Na volta, no entanto, depois de tanto trabalho e energia despendidos, a viagem acabou ficando um tédio total. No meio daquele desânimo conjunto pensei em avaliar a curiosidade das pessoas do ônibus, que obviamente, eram todas amigas. Olhei fixo pela janela e falei para minha companheira de poltrona “vou assustar o pessoal”. Fingi que estava vendo uma cena chocante. Atriz total! Coloquei a mão na boca e puxei o ar com som de horror. Não deu outra. Todo mundo que viu minha cara pulou do banco e foi até minha janela: “o que foi, o que foi?”. Tinha gente pulando por cima do colo de outros. Não imaginei tamanho resultado, mas deu. Eu disse: “não foi nada, só queria ver se vocês eram curiosos”. Dessa vez, o pessoal até que riu. Alguns ficaram meio brabos, por terem sido interrompidos no meio de uma soneca.
Um conselho: jamais solte uma risada forçada quando a piada que a pessoa do seu lado contou não tiver a menor graça. Faça outras coisas, mas não finja que gostou, especialmente se o gracinha for seu amigo, porque ele saberá que é fingimento. Algumas boas alternativas são fingir que seu celular tocou, ou que você não estava prestando atenção, ou que o bobo na rodinha é você e que não entendeu nada. Mas a melhor opção de todas é fingir que teve um engasgo na mesma hora em que o coitado terminou a piada e ninguém riu, porque seu amigo não vai passar por tanto constrangimento, já que a atenção vai ser toda voltada para você.
Os meus casos bem sucedidos de gracinha pararam por aí. Infelizmente é assim. Quem sabe fazer rir é porque tem um dom especial. Eu não tenho, fazer o quê? Até esta crônica ficou chata, mesmo o caso tendo sido cômico na hora. Tudo bem! A maior desculpa dos sem graça é esta: tentar consertar um causo mal sucedido dizendo que ele foi engraçado na hora em que aconteceu. A verdade é que o sem graça é sem graça sempre. Quando consegue fazer rir é por pura sorte. 


Beijinhos da Márcia e até semana que vem.


4 comentários:

  1. Ai Márcia, só imagino a situação, hehe.
    Sempre que vou apresentar um trabalho e me vem uma super piada na cabeça, e eu a digo, todos ficam quietos, é um desastre total. Mas, algum dia quem sabe alguém ri né? tss. Sou mesmo do time dos sem-graça!
    Beijinhos,
    http://alanahomrich.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu sou uma pessoa que não consegue fazer rir a ninguém. Não possuo esse dom e admiro quem tem.

    ResponderExcluir
  3. Não achei a crônica chata até ri da situação no ônibus, mas confesso que se tivesse lá na hora iria ficar mega chatiada pq iria pensar que era um humor negro, mas enfim tbém não tenho o dom de fazer rir!!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Se eu faço uma coisa dessas no ônibus, me expulsam dele na hora rs

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo