4 de outubro de 2015

Resenha: No Início Não Havia Bob - Meg Rosoff @galerarecord

Informações do livro:
Título: No Início Não Havia Bob
Título original: There Is No Dog
Autor: Meg Rosoff
Editora: Galera Record
Páginas: 240





Sinopse: E se Deus fosse um adolescente? Após ganhar a Terra num jogo de pôquer, a deusa Mona resolve delegar a seu filho, um insolente e mimado adolescente, o novo planeta. Bob, preguiçoso demais para gastar muito tempo com isso, cria tudo em seis dias e a partir daí joga todo o trabalho para cima de seu assistente, o frustrado Sr. B. Quando os problemas começam a aparecer, sobra para ele limpar a bagunça. E o fato de Bob ter criado os humanos à sua imagem e semelhança também não ajuda. Como um planeta cheio de criaturas tão gananciosas e intolerantes pode sobreviver? Como não bastasse, Deus está obcecado por uma garota mortal: Lucy, assistente em um zoológico. E a cada encontro a Terra é afetada pelos sentimentos de seu criador. Dominado por desejos intensos, Bob começa a causar verdadeiras catástrofes em seu planeta. Desesperado, conseguirá o Sr. B. salvar a Terra de seu próprio Deus? • O primeiro livro da autora, Minha vida agora, também foi lançado pela editora Galera Record e virou filme em 2013. A adaptação conta com a presença da atriz Saoirse Ronan, do filme A Hospedeira. • A autora foi finalista do National Book Award. • “Não há como negar que a escrita e o senso de humor de Rosoff são verdadeiras forças da natureza.” – Publishers Weekly " 





Da mesma autora:
Se alguma vez... - Meg Rosoff (Galera Record)



Resenha: Já tinha lido um livro de Meg Rosoff, e por isso me interessei pela leitura de “No início não havia Bob”. A premissa é inusitada e admito que nem sabia o que esperar dos acontecimentos. Na verdade, a criatividade é um dos grandes destaques desse enredo, mesmo porque é difícil imaginar o mundo sendo guiado por um adolescente cheio de contradições.

A narrativa é dinâmica e por vezes muito engraçada. Para quem curte acompanhar histórias de Deuses e seus dilemas também é uma ótima dica de leitura. Independente de todas as referencias, a autora consegue criar uma ambientação rica em detalhes fantasiosos. E é claro que são essas características que dão incrementam ainda mais as situações.

Bob é filho de uma Deusa e está naquela fase em que não sabe de muita coisa. Ele até pode saber, porém vive cercado de questionamentos sobre quais serão suas escolhas ou quem é de verdade. Até ai ele pode ser comparado com um adolescente mesmo. Só que diferente dos jovens “comuns” de nossa sociedade, ele vai ganhar uma responsabilidade enorme – enorme mesmo – e repleta de limitações e consequências.

A sorte é que ele conta com um assistente para lhe ajudar (o Sr. B), mas isso não quer dizer que o caos não está formado. O modo como ele ganha o poder para criar a terra também não favorece em nada suas condições. Afinal de contas, ele não é nem um pouco humilde e não sabe dar o devido valor para as coisas que conquista.

É tanta agitação acontecendo que o leitor já nem espera muitos resultados positivos sobre o trabalho que vem sendo realizado por Bob. Nem o Sr. B consegue aguentar as situações, mesmo porque ele não pode mesmo ser responsabilizado por tudo. Para agravar ainda mais, Bob se apaixona por Lucy, uma humana e já dá para perceber que essa relação não pode ter resultados positivos.

Bob precisa aprender que as coisas não giram ao seu redor. Há momentos em que tenta compreender suas atitudes, mas seu egoísmo muitas vezes fala mais alto. Ele precisou ficar sozinho para sentir o peso da responsabilidade que carrega. Só desse jeito mesmo para notar o quanto as pessoas e suas respectivas emoções precisam ser respeitadas.

É uma leitura rápida e acredito que também pode ser considerada bem crítica. A autora conseguiu expor episódios realistas e uni-los com o imaginário (a mitologia em questão), sem que parecesse sem noção demais. Vale ressaltar também que o texto, na maioria dos eventos, também é bem irônico. Por fim, o contexto não poderia ser mais elaborado e o desfecho também foi concluído com leveza e satisfação.


Classificação SEL: 4/5


Um comentário:

  1. Livro diferente... Gostei! Achei tendência e já quero ler! Adoro um texto irônico (vide a série Guia do Mochileiro das Galáxias)
    Nunca li nada da autora mas acho que esse livro vai ser um bom começo.
    Tem filme, né... Vou procurar também
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo