1 de novembro de 2012

Resenha: O Véu - Luis Eduardo Matta, Primavera Editorial

Informações do livro:
Título: O Véu
Autor: Luis Eduardo Matta
Editora: Primavera Editorial
Páginas: 528
SKOOB 


Sinopse: Araci Quintanilha é a proprietária da Casa Quintanilha de Leilões, no Rio de Janeiro, que vive dias de expectativa com a aproximação do leilão onde uma misteriosa tela a óleo, chamada ‘O Véu’, será posta à venda. O quadro que foi condenado por várias lideranças muçulmanas em todo o mundo por retratar uma mulher seminua usando o véu islâmico, tem uma trajetória marcada pelo sucesso, pela polêmica, pela intriga e pela tragédia. Diversas pessoas morreram por sua causa - inclusive o próprio pintor, Lourenço Monte Mor, vitimado por um incêndio em sua casa, jamais esclarecido. Obscuros segredos do passado ligam o quadro ao assassinato, em 2005 na Arábia Saudita, de Abu al-Horiah, o líder da Azadi, uma organização extremista iraniana responsável por inúmeros atentados terroristas nas décadas de 1980 e 1990.Tudo levava a crer que a morte de Abu al-Horiah e de seu filho Arsalan, tido como seu sucessor, sepultara de vez a Azadi, mas, tempos mais tarde, começaram a circular rumores de que a organização estaria se rearticulando sob o comando de uma nova líder, conhecida como Umm al-Hakika. Os rumores sobre a ressurreição da Azadi coincidem com a chegada ao Brasil de Mohsen Khajepour, um conceituado intelectual iraniano radicado na Suíça, que acaba assassinado em circunstâncias misteriosas, às vésperas das eleições presidenciais iranianas de 2009. Durante anos acreditou-se que ‘O Véu’ tivesse sido destruído no incêndio que matou Lourenço Monte Mor, mas ele estivera, todo esse tempo, escondido no apartamento de Araci Quintanilha. Quando o seu leilão é anunciado e a opinião pública toma conhecimento de que a polêmica obra sobrevivera, Araci, subitamente, se vê arrastada para um redemoinho vertiginoso de acontecimentos perturbadores onde sua própria segurança é colocada em risco. Ameaçada por terroristas, ela é obrigada a fugir, sem perceber que uma conspiração de proporções gigantescas está em curso. E que o misterioso quadro, que guardara consigo durante anos, esconde um terrível e fantástico segredo, que poderá mudar tragicamente a geopolítica do mundo. Nesse thriller eletrizante e envolvente em que os bastidores do rico mercado de arte se mesclam às entranhas sórdidas da turbulenta política do Irã, os destinos de três mulheres se cruzam na busca pela verdade e pela liberdade.






Resenha: O Véu é um livro com uma história muito interessante, que envolve mistério e muitos acontecimentos marcantes e intensos. Eu sei que acho praticamente todas as capas de livros muito bonitas, mas essa realmente está impecavelmente atrativa e chamativa. A Primavera Editorial está de parabéns pelo excelente trabalho. 

A narrativa também não deixou por desejar e nos apresenta uma verdadeira história de suspense e reviravoltas. Aquele tipo de livro que você só larga quando termina. Mais uma vez fico lisonjeada em poder conhecer uma obra excelente de um autor nacional.

A trama segue a respeito de um quadro único e repleto de curiosidades e um enigma a ser revelado. Na tela, é mostrada a imagem de uma mulher seminua, usando apenas um véu. Ele é constantemente assunto de debates, por se tratar de um tema forte e focar sua direção no véu de origem islâmica. Mas o que parecia estar perdido em um incêndio, inesperadamente reaparece e é colocado em um leilão.

O caso é que não se sabe se este incêndio foi de causa criminosa ou não, e por esse motivo, há quem diga que a culpa está por traz do quadro, e que o mesmo até poderia ser amaldiçoado, já que o próprio autor da obra – Lourenço Monte Mor – morreu. A história que acompanha o quadro é que inexplicavelmente, quem encosta na tela morre de alguma maneira. Tudo parece ser muito estranho e no decorrer dos fatos, o leitor tende a ter desconfiança de cada personagem e de cada passo dado.

Quem salvou o quadro do incêndio, foi o próprio pai do autor, Aníbal, que anos depois, entrega à sua irmã Araci Quintanilha, para pôr em sua famosa casa de leilões. A partir daí, muitas coisas começam a ocorrer sem explicação. 

Tudo parece piorar quando Araci e o marido vêm fugidos ao Brasil, porque estão sendo perseguidos pelos Azadi, um grupo terrorista, que reapareceu sem muitas explicações. Agora ela não se sente segura em nenhum lugar, e tudo pode representar uma ameaça. Por esse motivo e se vendo pressionada, ela precisa investigar e saber quais as reais intenções desse grupo e o que há por traz do quadro.


“Araci fechou os olhos, sem conseguir evitar que uma opressiva sensação de pesar a envolvesse. Aquele rosto era inegavelmente sedutor; ele parecia vivo e atento a toda movimentação em torno de si. Os olhos eram grandes, fundos, faiscantes, dois perfeitos círculos verdes, atentos, onipresentes, sinistros, aterradores, que emanavam uma libidinagem feroz sem, contudo, disfarçar uma inegável e desconcertante expressão de agonia, quase uma súplica por piedade. A lenda em torno do quadro era vasta. (...)” Pg. 49 – 50.


O mais interessante, é que de acordo com as informações que vão surgindo, tudo vai se interligando e sendo relacionadas a outras culturas, países e segredos.
Adorei o final e gostei de conhecer um pouco mais sobre a cultura de outra nação, tanto em assuntos religiosos, políticos e artísticos, repleto de detalhes minuciosos.

O Véu tem 528 páginas, mas é foi uma leitura rápida pelo simples motivo de envolvimento e da curiosidade pelo desfecho. O livro foi o responsável por uma noite praticamente em claro, sendo que não conseguiria dormir sem saber todos os detalhes.


Classificação SEL: 4/5


2 comentários:

  1. nao conhecia o livro
    nao é muito o meu estilo sabe.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal sua resenha, fiquei bem curiosa. A capa é mesmo linda!!!!!

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo