17 de abril de 2013

Resenha: O Roubo do Punhal Sagrado - Amâncio Leão, Editora Escrita Fina

Informações do livro:
Título: O Roubo do Punhal Sagrado
Autor: Amâncio Leão
Editora: Escrita Fina
Páginas: 96
SKOOB | GOODREADS 



Sinopse: No Rio de Janeiro, um punhal muito antigo é roubado de um colecionador. Mas não se trata apenas do roubo de uma relíquia de valor histórico. Através do punhal, uma milenar e cruel divindade pode ressurgir e dominar o mundo. Perseguidos por um grupo de fanáticos que deseja o místico objeto, quatro adolescentes tentam assim mesmo impedir a reencarnação da sinistra entidade. Mas o que pode um grupo de garotos contra o poder das trevas?



Resenha:O Roubo do Punhal Sagrado” foi uma verdadeira surpresa para mim, pois eu esperava uma história mais tranquila, e encontrei um enredo envolvente e crítico. Desde o começo eu sabia que encontraria uma leitura jovial e leve, mas me encantei pelo modo como o autor Amâncio Leão, desenvolveu a trama com muito suspense e mistério. 

Mesmo que o mesmo apresente poucas páginas, é um livro que te prende do começo ao fim, e te faz pensar que talvez possa existir chances para uma possível continuação. Por minha parte, espero mesmo que sim. 

Na história, conhecemos personagens fortes e intrigantes. André, Diana, Caio e Bruno acabam se envolvendo em um caso policial misterioso e repleto de pontas soltas. Muitas duvidas surgem no desenrolar dos acontecimentos, e agora eles precisam tomar cuidado para não se encrencarem ainda mais. 



“Bem, nós temos um compromisso com a verdade. A imprensa tem um papel importante e se não houver esse compromisso, não cumpre com o seu papel. Isto é muito bonito de dizer, mas é difícil de fazer. Em épocas em que a imprensa vive sob censura, por exemplo, dizer sempre a verdade é quase impossível. E, às vezes, o motivo da informação incorreta é bem mais simples do que isto. Vamos supor que eu receba uma informação de uma fonte e confie nela. Publico a coisa e amanhã descubro que a fonte se enganou. Lá se foi a notícia e talvez o meu emprego pro espaço....” Pg.31


O interessante é que muitas partes do livro chamam a atenção do leitor por se tratar de fatos reflexivos diante da sociedade, como por exemplo, as várias situações da imprensa e dos profissionais dessa area diante de fatos importantes para a sociedade em geral. 

Logo que um punhal sagrado é roubado, outras coisas começam a acontecer e parecem estar interligadas. E o pior, ninguém sabe por onde começar a procurar...mas aos poucos eles vão encontrando pistas que talvez os ajudem a solucionar o caso, que acaba se tornando mais perigoso do que eles imaginavam.

Este é um ótimo pedido para uma história juvenil e ao mesmo tempo instigante. É um tipo de história que te faz pensar várias coisas e no fim perceber que é totalmente o oposto. O final é eletrizante e ainda te deixa com aquele gostinho de mais. Espero que venha uma continuação por aí...


“Precisávamos chegar ao punhal antes da seita. Principalmente porque, segundo a lenda e nossas pesquisas, o dia da reencarnação estava muito próximo. Quando descobrimos que a relíquia tinha sido encontrada e estava em poder de um colecionador, não podíamos simplesmente pedir a ele que nos desse o punhal. Nem adiantava lhe dizer o quanto isto era importante, porque ele já conhecia a lenda, mas não acreditava nela.” Pg.77


Classificação SEL: 4/5


Um comentário:

  1. Nao conhecia esse livro, mas após ler sua ótima resenha: clara e objetiva, confesso ter minha curiosidade aguçada. Além disso a capa passa um ar de mistério. Valeu pela dica de leitura!!!

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo