13 de maio de 2013

Resenha: Insurgente - Veronica Roth @editorarocco

Informações do livro:                                 
Título: Insurgente
Divergente - Livro 2
Título original: Insurgent (Divergent #2)
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 512

Sinopse: Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama - e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.





Leia também:
Divergente - Veronica Roth (Editora Rocco)


Resenha: "Insurgente" é o segundo volume da série distópica de Verônica Roth, e para quem acompanhou a resenha de Divergente pôde perceber o quanto gostei da narrativa da autora. Normalmente, é difícil uma trama me impressionar mais que o primeiro livro, porém esse sendo a continuação me encantou igualmente e só me fez ansiar por mais. 

A trama é fascinante e inicia logo onde terminou Divergente. Fiquei meio perdida até me situar novamente na história, mas creio que seja pelo fato de que é preciso voltar novamente aos fatos anteriores. Confesso que fui conferir de novo as últimas páginas de Divergente, para poder me situar completamente. 

O mais interessante neste enredo é poder conhecer melhor as facções e entender todos os sentidos deste novo mundo. O ritmo dos acontecimentos se tornou cada vez mais ágil e intensificado, fazendo com que o leitor se prenda à leitura de um jeito totalmente frenético.

Beatrice Prior – ou Tris – está cada vez mais impulsiva, porém seu estado físico e emocional requer muita atenção, diante de tantos acontecimentos e escolhas difíceis. Quatro – ou Tobias – parece estar meio perdido... Não sei se essa seria a palavra certa, mas parece que ele não sabe realmente qual o caminho seguir. Em algumas partes, é perceptível a maneira como ele se mostra confuso, inseguro e por vezes irritadiço. 

O que dizer da relação dos dois? Conflitante não é bem a palavra real, mas confirma algumas ações de Tris e Quatro. Falta confiança entre os dois, e por isso a relação se encontra meio balançada, apesar do sentimento ser intenso. Tenho que dizer: fiquei com o coração apertado cada vez que eles discutiam ou acontecia algo que poderia influenciar no caso dos dois. Posso dizer também que senti falta de algumas explicações para as ações de Quatro.

Mesmo que a narrativa seja feita por Tris, acredito que o enredo seria engrandecido com algumas narrações feita por nosso querido Tobias. Os outros personagens secundários também entram em cena, assim como em Divergente, apresentam grande importância na trama. Apesar de que, preciso alertá-los, caso não tenham lido ainda, estejam preparados para fortes emoções e reviravoltas chocantes.

Neste novo enredo, os personagens finalmente entenderam a real importância de lutar por seus objetivos. Depois de uma fase considerável de aprendizados, onde todos se encontravam meio perdidos, o que importa agora é encontrar um foco que os instrua a decidir o futuro da nação. 

E por meio disso, é importante destacar que todas as ações, serviram como base aos personagens, no quesito amadurecimento, e as facções acabam se tornando responsáveis por tais lições. A fragilidade também está presente nas páginas, diante de alianças e escolhas mal formuladas e culpas compreensíveis. A autora expande as cenas de ação e se mostra impiedosa e imprevisivel diante de algumas realizações, deixando os leitores abismados e cada vez mais alucinados.

O final não apresentou ser tão surpreendente, porém deixou grandes pontas soltas para o próximo volume – que espero, não demore tanto – e diante das revelações, já dá para sacar quais serão os assuntos tratados na continuação. No quesito de edição, a Editora Rocco está novamente de parabéns pelo excelente trabalho realizado na capa, na tradução e em todo o conteúdo.

Você não leu Divergente ou Insurgente ainda? Está esperando o que? Essa série distópica, com certeza é uma das mais elaboradas e condizentes com o gênero. Leitura mais que recomendada!




“ Li em algum lugar, não sei quando, que não há explicação cientifica para o choro. O único propósito das lágrimas é lubrificar os olhos. Não há um motivo real para as glândulas lacrimais produzirem um excesso de lágrimas por causa de emoções. Acho que choramos para liberar nosso lado animal, sem perder a humanidade. Porque, dentro de mim, há uma fera que rosna, ruge e luta por liberdade, por Tobias e , acima de tudo, pela vida. Por mais que eu tente, não consigo matar essa fera. Por isso, apenas soluço, chorando e cobrindo o rosto com as mãos.” Pg.334



Classificação SEL: 4/5 


3 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    Adorei a resenha do livro fiquei com agua na boca de ler os dois, insurgente e divergente.
    Amei seu blog, estou seguindo, estarei sempre por aqui.
    beijos
    http://www.dicasdaandy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela resenha, adorei!! Mais um livro que eu não conhecia, valeu pela dica e mais uma vez parabéns pelos livros diferenciados!

    ResponderExcluir
  3. Oi adorei sua resenha...mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...Há a capa do livro é linda, ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem..busca.livrariasaraiva.com.br/saraiva/Reverso
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo