23 de julho de 2013

Resenha: Cidade das Almas Perdidas - Cassandra Clare, Galera Record

Informações do livro:                                 
Título: Cidade das Almas Perdidas
Os Instrumentos Mortais #5
Título original: City of Lost Souls
Autor: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Grupo Editorial Record
Páginas: 434
SKOOB GOODREADS




Sinopse: Quando Jace e Clary voltam a se encontrar, Clary fica horrorizada ao descobrir que a magia do demônio Lilith ligou Jace ao perverso Sebastian, e que Jace tornou-se um servo do mal. A Clave decide destruir Sebastian, mas não há nenhuma maneira de matar um sem destruir o outro. Mas Clary e seus amigos irão tentar mesmo assim. Ela está disposta a fazer qualquer coisa para salvar Jace, mas ela pode ainda confiar nele? Ou ele está realmente perdido?



Leia também:
Os Instrumentos Mortais #1 Cidade dos ossos   - Cassandra Clare (Galera Record)
Os Instrumentos Mortais #2 Cidade das cinzas - Cassandra Clare (Galera Record)
Os Instrumentos Mortais #3 Cidade de vidro - Cassandra Clare (Galera Record)
Os Instrumentos Mortais #4 Cidade dos anjos caídos - Cassandra Clare (Galera Record)


Pode conter spoilers.


Resenha: Não sei se vocês sabem, mas eu sou extremamente apaixonada por essa trama e estava desesperada para a continuação da série de “Os Instrumentos Mortais”. Já ouvi diversos comentários referentes ao enredo de “Cidade das Almas Perdidas” referente ao rumo dos acontecimentos, porém acredito que a autora soube conduzir os fatos novamente de um modo magistral e surpreendente. 

Sem contar que achei essa capa a mais bonita de todas até agora publicada. E o que mais ganha destaque nesta trama é justamente a relação dos personagens envolvidos, pois cada um a seu modo, acabam adquirindo certa cumplicidade em busca de um só objetivo.

Confesso que fiquei nervosa, e depois angustiada para em seguida estar alarmada sobre o suposto sumiço de Jace e sobre a aflição de Clary, assim como Simon, Isabelle, Alec e Magnus também demonstraram suas preocupações. Jordan e Maia foram dois personagens recorrentes dos últimos volumes, que também apareceram bastante nas cenas, apresentando novas versões de um relacionamento fragilizado, conturbado e inseguro. 

Simon também tem o seu merecido e emocionante destaque diante de tanta lealdade e conivência. E quanto a Isabelle, só posso dizer que ela se encontra um tanto insegura e confusa diante dos sentimentos nutridos por Simon.

Quanto a Alec e Magnus, preciso dizer que os dois estão cada vez mais empolgantes e comoventes. O interessante é perceber que existe mesmo uma interação entre todos os personagens apesar de suas diferenças, e que o fator principal dessa união segue justamente pela procura agonizante de Jace e consequentemente de Sebastian. 

A Clave está fazendo de tudo para encontrá-los e não mede esforços para conseguir alcançar o objetivo principal: matar Sebastian, mesmo que para isso tenha que matar Jace também, já que os dois se encontram sob uma magia de sangue demoníaca. E essa ligação entre os dois acaba sendo muito bem trabalhada de um modo que o leitor imagine novas versões para o enredo, e talvez dê esperanças para um final improvável.

É perceptível a mudança de comportamento da protagonista ao longo de cada livro. Nesse em questão, ela se encontra ainda mais determinada e corajosa diante de cada atitude e decisão. Já Jace definitivamente não é mais o mesmo de antes. Agora ele está cada vez mais manipulado por Sebastian e neste caso, fica até difícil entender suas ações. 

Apesar de ser o meu eterno personagem – encantador e poderoso –favorito da série, nota-se que ele está passando por um período difícil de provações, e a única coisa que realmente importa para ele nesse momento, é o amor de Clary (pelo menos isso) e a batalha que terá que travar com a Clave, juntamente com o arrogante Sebastian.

E para quem estava se perguntando: é nesse volume que Sebastian Verlac ou Jonathan Christopher Morgenstern é mais explorado diante de uma narração intricada e sobrecarregada. E não sei se já citei isso nas resenhas anteriores, mas esse é um personagem espetacularmente digno de angustias e de horror. 

Eu não simpatizo com ele nem um pouco, tanto pela sua frieza e pelo seu ar repleto de vulnerabilidade, manipulações e mentiras, mas ao mesmo tempo o acho muito condizente para o papel complexo e intenso. Ele acaba, então, se tornando o destaque deste livro e quem sabe até de todos os livros então já publicados. Sebastian se tornou o vilão mais cruel e obsessivo. Ou será que ele estava apenas buscando algum tipo de apoio ou compreensão?!

“Cidade das Almas Perdidas” possui uma trama desafiadora e acima de tudo, surpreendente em vários aspectos. Primeiro porque desvenda certos assuntos inacabados e segundo porque abre questões misteriosas e acima de tudo, eletrizantes para a continuação. Essa é enfim, a verdadeira função deste quinto volume da série: nos preparar para um final revelador em City of Heavenly Fire.

“(...) Pertenço a você. Poderia fazer qualquer coisa que quisesse comigo, e eu deixaria. Me pedir qualquer coisa; eu acabaria comigo tentando fazê-la feliz. Meu coração me diz que este é o melhor e mais grandioso sentimento que jamais vivi. Mas minha mente sabe a diferença entre querer o que não se pode ter e querer o que não se deve. E eu não devo desejá-la. (...)” Jace para Clary Pg.433

Classificação SEL: 5/5


Um comentário:

  1. Não conhecia esse livro, mas, adorei a resenha!
    Beijos

    www.Mundodocedelicioso.com

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo