4 de julho de 2013

Resenha: A Outra Face do Desejo @lematta @primaveraeditor

Informações do livro:                                 
Título: A Outra Face do Desejo
Autor: Luis Eduardo Matta
Primavera Editorial
Páginas: 436




Sinopse: Durante muito tempo, a publicitária Fernanda Soares de Lima, de 36 anos, teve um casamento estável, porém monótono. Quando o marido morre inesperadamente, a redoma de segurança que ela ergueu em torno de si é rompida e emoções há muito tempo adormecidas vêm à tona. A principal é a lembrança da única grande paixão da sua vida, Ricardo, que Fernanda conheceu no ­ final da adolescência e nunca mais viu desde então. Esse, porém, está longe de ser o maior problema da sua nova fase de vida. Fernanda ainda tem que lutar contra o ódio doentio da sogra, Adelina Figueroa, que arquiteta um plano diabólico para destruir a nora. A situação se agrava quando a melhor amiga de Fernanda é inexplicavelmente assassinada, transformando todos à sua volta em potenciais suspeitos. Em meio ao mistério em torno do crime, Fernanda tem sua vida abalada por uma sucessão vertiginosa de episódios inexplicáveis e aterrorizantes que ameaçam arruiná-la. E enquanto procura desesperadamente entender o que está acontecendo, ela reencontra sua antiga paixão, sem imaginar que ele pode se transformar no seu maior pesadelo. Misturando drama, amor, mistério e suspense, A outra face do desejo é um thriller envolvente que conduz o leitor pelos labirintos dos con‑fitos existenciais e afetivos até um desfecho surpreendente e assustador.



Resenha: Já havia lido anteriormente um livro do autor Luis Eduardo Matta e estava com as expectativas em alta para este lançamento da Primavera Editorial, e fiquei muito feliz por não ter me desapontado e sim me surpreendido, pois em “A Outra Face do Desejo” o leitor é convidado a participar de uma narrativa forte e intensa. 

Ao mesmo tempo, acredito que o destaque deste thriller romântico, está justamente nos personagens, que se fazem presentes de um jeito critico e envolvente. Não sei se quem já leu teve alguma sensação parecida, mas é como se eu já conhecesse as personalidades descritas ou pelo menos conhecesse alguém com o mesmo tipo de vida, de problemas, de temperamentos e de experiências semelhantes.


“Viúva aos 36 anos. Essa constatação torturava Fernanda Soares de Lima Figueroa naquele entardecer nublado do final de março, enquanto ela seguia o cortejo com o caixão do marido pelas aleias plácidas do Cemitério de São João Batista, na zona sul do Rio de Janeiro, em direção à sepultura. Acabara de ficar viúva aos 36 anos, e à medida que as horas daquele dia dramático avançavam, sentia uma mistura desesperada de angustia e remorso apossar-se dela, quase a ponto de sufocá-la.” Pg.13


A combinação do gênero de mistério com dramas pessoais fechou de uma maneira concreta e dinâmica, otimizando o leitor a acreditar em tais fundamentações. A trama se divide em seis partes e neste percorrer, somos apresentados a uma protagonista central comum aos olhos da sociedade. 

Depois de viver por muito tempo em um casamento convencional, ela acaba ficando viúva. E depois disso, aos poucos Fernanda vai aprender a se reencontrar e a amar novamente. Pode até ser um pensamento horrível, mas ela se sentia aliviada por não precisar mais conviver com o marido. 

O problema é que não existia mais uma relação amorosa, e só restaram os transtornos de dois estranhos em uma rotina dolorosa. Fernanda se apaixonara por um rapaz ainda quando estudava num colégio, e talvez esta tenha sido a única vez que amou de verdade. Rodrigo foi descrito como alguém reservado e misterioso, e na época da escola, os dois sequer tiveram um encontro. Fernanda sempre se culpou por sua timidez e até os dias atuais sonhava com ele e o procurava nos meios sociais da internet, sem sucesso.


“A paixão lhe estivera ausente durante todos esses anos e, agora que estava só, essa sensação de tempo perdido berrava dentro dela. Olhava para o futuro e não conseguia vislumbrar um único sinal de que alguma mudança positiva seria possível. E tinha medo de que a carência reprimida ao longo de todo esse tempo viesse à tona a qualquer momento de uma forma cautelosa e ela perdesse o controle de seus sentimentos, tornando-se refém do próprio desejo. Um desejo quase selvagem de amar e ser amada.” Pg.34


Por obra do destino – ou não – os dois acabam se reencontrando. Esta parte foi uma das cenas mais emocionantes, pois Fernanda se via sem direção e quase não acreditou quando viu Ricardo. Ele virara músico e ela o reconhecera na mesma hora. Ele tinha um ar mais viril e um corpo mais definido, porém o olhar continuava o mesmo. Ricardo demorou apenas uma questão de segundos para lembrar-se de Fernanda, o que fez o coração da moça aflorar de um jeito extasiante. 

Os dois estavam tendo uma conversa descontraída, até que Breno – colega de trabalho da agencia onde Fernanda trabalhava como diretora de criação – surgiu entre os dois na festa em que estavam, e lhe deu uma péssima notícia – sua amiga Miriam foi encontrada morta durante a festa em questão. O mistério estava formado. 

Sua amiga fora encontrada com uma sensação de que morreu apavorada e toda a cena mantinha um contexto horripilante e sinistro. Fernanda considerava Miriam como uma irmã, uma confidente e era a única que sabia todos os segredos da amiga e que a aconselhava e a ajudava a dar um rumo na sua vida. Restava apenas a dúvida do que teria provocado este crime.


“Fernanda não estava bêbada, não tinha perdido a noção da realidade. Ao contrário, estava perfeitamente lúcida, mas aquele músico tinha os olhos negros penetrantes que ela vinha buscando havia quase vinte anos Era ele. Ricardo.” Pg.96


Com os últimos acontecimentos recentes ainda atormentando Fernanda, ela começou a perceber que uma trama havia sido forjada para incriminá-la. E os problemas só estavam começando. A acusação envolvia uma quadrilha de ladrões de relíquias e obras de arte que estava dizendo que Fernanda teria encomendado o roubo de uma estatueta pertencente a uma coleção.


“Uma sensação vertiginosa de horror e incredulidade se apoderou de Fernanda, enquanto o chão começava a lhe faltar. Em choque, não percebeu quando se debruçou no espaldar da cadeira e desabou em prantos.” Pg.100


Sei que esta resenha ficou enorme, porém não me contive ao descrever esta história emocionante. No decorrer da narrativa o leitor consegue imaginar as cenas com lucidez, e no meu caso até tentei solucionar este caso, porém sem sucesso. Assim como mantive uma relação de amor e ódio com os personagens. A Outra Face do Desejo me pegou desprevenida e sem palavras diante de uma história excelente.


“Era incrível como 19 anos tinham se passado e ela continuava a mesma garota tola. Fernanda jurou a si mesma que iria mudar isso. A vida estava lhe dando uma segunda chance e ela não tinha o direito de desperdiçá-la.” Pg.230


Classificação SEL: 5/5


Um comentário:

  1. Nossa, depois de tantos elogios em cima do livro, como não me encantar?
    A capa é bem bacana! Gosto dessa palheta de cores.
    A sinopse é "o meu estilo de livro" e você falou muito bem do livro. Não conhecia nem ele nem o autor, mas já estou curiosa!!

    bjus
    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo