29 de janeiro de 2014

Resenha: O Caçador de pipas - Khaled Hosseini - @GloboLivros

Informações do livro:
Título: O caçador de pipas
Título Original: The kite runner
Autor: Khaled Hosseini
Editora: Globo Livros
Páginas: 352




Sinopse: O caçador de pipas é considerado um dos maiores sucessos da literatura mundial dos últimos tempos. Este romance conta a história da amizade de Amir e Hassan, dois meninos quase da mesma idade, que vivem vidas muito diferentes no Afeganistão da década de 1970. Amir é rico e bem-nascido, um pouco covarde, e sempre em busca da aprovação de seu próprio pai. Hassan, que não sabe ler nem escrever, é conhecido por coragem e bondade. Os dois, no entanto, são loucos por histórias antigas de grandes guerreiros, filmes de caubói americanos e pipas. E é justamente durante um campeonato de pipas, no inverno de 1975, que Hassan dá a Amir a chance de ser um grande homem, mas ele não enxerga sua redenção. Após desperdiçar a última chance, Amir vai para os Estados Unidos, fugindo da invasão soviética ao Afeganistão, mas vinte anos depois Hassan e a pipa azul o fazem voltar à sua terra natal para acertar contas com o passado.



Resenha: Khaled Hosseini encantou vários leitores ao publicar em 2003, o romance “O caçador de pipas”. E em 2007 estreou o filme baseado na obra, que também virou sucesso imediato. A “Globo Livros” lançou em 2013 uma nova edição em comemoração aos 10 anos do livro, além de um novo romance do autor: ‘O Silêncio das Montanhas’ (resenha). Esta edição oferece um prefácio do autor, onde expõe suas opiniões sobre a história que criou, e a recepção diante da publicação.

Também mostra um lado critico envolvendo as semelhanças entre a ficção e a sua realidade em si diante dos impactos emocionais. É muito interessante ler sobre suas perspectivas, surpresas e sentimentos sobre seu próprio livro. Demonstra todo o realismo e honestidade apresentados na trama. A nova tradução ficou por conta de Claudio Carina e a nova capa criada por Victor Burton.

A história gira em torno da amizade entre Hassan e Amir e o leitor consegue passar por todas as emoções a partir do momento em que a história se desenrola. É uma amizade verdadeira contra todas as probabilidades. 

Os personagens são muito intensos e é possível poder imaginá-los com clareza e consequentemente conhecer os sentimentos em cada ato. O enredo é rico em detalhes, com um ritmo rápido e um romance capaz de fazer qualquer pessoa chorar, rir, lembrar da infância e pensar sobre a vida. Claro que são características de uma ótima história.

Chama a atenção para o Afeganistão, um país conflituoso, ainda mais na época retratada. Algumas cenas são chocantes e fica difícil entender os motivos para tais acontecimentos. Amir é avaliado num sentido de culpa, até certos atos heróicos, assim como o amadurecimento, e é o que prova que ele é de fato resgatável, após algumas atitudes de fraqueza. A avaliação é desesperadora, e o ponto positivo é que o autor conseguiu contorcer os fatos de modo espetacular.

A história compartilha a busca do equilíbrio, da justiça e da misericórdia, do amor familiar e ódio, e também encontrar o perdão e a força para se erguer. A trajetória de amor entre pais e filhos, e aqueles que chamamos de irmãos de coração – se não de sangue. Em última análise, é uma narrativa a respeito de sobrevivência e redenção. O Caçador de Pipas desafia todas as suposições e preconceitos.

  


“Eu me tornei o que sou hoje aos doze anos, num dia gelado e encoberto do inverno de 1975. Lembro-me do momento exato, agachado atrás de uma decrépita parede de barro, espiando uma ruela perto de um riacho congelado. Já faz muito tempo, mas aprendi que o que dizem sobre o passado poder ser enterrado é um equívoco. Pois o passado abre caminho com unhas e dentes. Olhando para trás agora, percebo que estive espreitando aquela ruela deserta durante os últimos vinte e seis anos.” Pg.11



Classificação SEL: 5/5 


4 comentários:

  1. Muito boa sua resenha!
    Eu também li este livro, mas ainda não tive oportunidade de assistir ao filme.
    Quero ler os outros do mesmo autor. Dele já li esse e "A cidade do sol".

    AI MEU DEUS!!!! vou amar esse filme e vou chorar litros no cinema.
    É uma pena ainda demorar tanto para chegar aqui no Brasil.

    Minhas Impressões

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é como você descreveu, quem lê consegue visualizar o que o autor escreveu e a escrita dele consegue alcançar o leitor de forma sentimental. Muito lindo!

    ResponderExcluir
  3. eu li esse livro faz uns 2 meses, e estou emocionada com a história até hoje, é bem isso que vc falou, agente passa a viver as emoções da história assim que abre o livro. muito bom mesmo.

    http://confissoesdagordinhara.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu ainda não li mas tudo que leio sobre o livro é positivo... Mas ta na lista. Parabens pela resenha e pelo blog

    Ana Paula
    http://paixaoporleituras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo