25 de março de 2014

Resenha: Sentimento Fatal - @JanetheFontes @EditoraDracaena

Informações do livro:
Título: Sentimento Fatal
Ficção Brasileira
Autor: Janethe Fontes
Editora: Dracaena
Páginas: 350



Sinopse: Por amor se mata? O amor destrói? E o ciúme, pode ou não ser controlado? Sentimento Fatal levará você a pensar nessas questões e rever seus conceitos... todos os seus conceitos em relação ao amor. "Dividida entre a paixão avassaladora do marido Roberto, que tem um ciúme doentio, e o grande amor de infância de Daniel, que ela torna a encontrar dez anos depois, Adriana Diniz Martinez terá de vencer o medo e reencontrar a si mesma... Lutar pela própria integridade e também pela filha Letícia, pela qual é capaz de tudo, sobretudo suportar a violência do marido, sobretudo suportar a própria infelicidade." Com uma narrativa surpreendente, combinada a ingredientes como drama, aventura, sedução e suspense, e tendo ainda como pano de fundo a violência doméstica, a autora faz com que o leitor tenha de prender o fôlego para acompanhar este romance que, em cada novo capítulo, nos revela uma dura realidade que, lamentavelmente, atinge milhões de mulheres em todo o mundo... Nos faz descobrir ainda que o amor pode ser tranquilo e seguro, mas também agitado e extremamente perigoso.




Confira outros títulos da autora:

Doce Perseguição (resenha)
Vítimas do silêncio (resenha)



Resenha: Sentimento Fatal” explora emoções intensas e problemas graves em um relacionamento. Janethe Fontes, assim como nos outros livros anteriores que li da autora, consegue demonstrar a intensidade das ações de pessoas descontroladas e do desespero de quem sofre qualquer tipo de abuso. São momentos de descrença e dor, retratadas de forma realista e sólida.

Adriana Diniz é casada com Roberto Aguiar, um homem possessivo e repleto de ciúmes. Aos poucos ele começa mudar suas atitudes e demonstra ser uma pessoa muito violenta e sabe amedrontar a esposa nas medidas certas. Claro que ela poderia pedir a separação, mas como eles tem uma filha de cinco anos, ela teme se separar dela. 

E assim, Letícia, mesmo sendo uma menina pequena, é esperta o suficiente para entender algumas crises e também sofre com a situação que presencia dentro de casa. A protagonista sabe que já foi mais corajosa e ousada, e de que infelizmente não tem condição de se sentir segura.

Seu marido mantinha o pensamento de que a mulher deve ficar em casa e não ir trabalhar e estudar. Inconformado, tentou brigar o máximo que pôde, mas pelo menos Adriana conseguiu resistir e seguiu firme com seus objetivos. Na faculdade, ela se depara com seu professor, Daniel Diniz Pacheco, que também é seu primo que não vê há bastante tempo. 

Seria destino?! Os dois foram criados praticamente juntos, sempre foram amigos e houve um tempo em que ambos nutriam sentimentos inexplicáveis. Até que o tempo decidiu separá-los... As memórias intercaladas na narrativa incentivam o leitor à continuar a leitura e explica muitas passagens relevantes.

Daniel também tem um filho chamado Felipe e foi uma enorme surpresa para os dois assim que se reencontraram. A trama analisa pontos importantes sobre agressão, sofrimento e receios. Apesar de saber que sente algo por Daniel, Adriana não consegue determinar qual o caminho certo a seguir.

Roberto é um homem desprezível, nervoso e inseguro. Talvez por isso tenha tanto cuidado com seu corpo, fazendo malhação constante e tendo pensamentos desesperadores. Era algo que não conseguia controlar e se torna cada vez mais incompreensível, perdendo até a credibilidade para as pessoas ao seu redor. Quem não conhece um caso assim, seja através das notícias ou mais próximo?! É um tema muito complicado e que induz a várias reflexões e momentos revoltantes.



“Oscilando entre o ódio e a amargura pela própria inércia, Adriana atirava cabides sobre a cama, enquanto procurava uma blusa que pudesse esconder as manchas arroxeadas estampadas em seus braços e em seu pescoço. Em pleno verão, seria obrigada a usar uma blusa de mangas compridas e gola alta para esconder as marcas de um amor doente...” Pg.55



Classificação SEL: 4/5


2 comentários:

  1. não conhecia o livro ainda, mas fiquei curiosa. gosto deste tipo de livros que trazem tramas mais realistas para nós.
    este ai traz uma trama bem comum nos dias de hoje né.
    é difícil imaginar que ainda existam homens hoje que não permitam que suas esposas trabalhem, mas eu conheço muitos assim...

    ResponderExcluir
  2. Este foi o último livro que li da autora, e assim como os outros já lido, gostei muito. Uma pena é saber que mesmo sendo um livro onde a autora criou de sua mente os personagens e enredo, esta estória pode ser encontrada a qualquer hora perto de nós mesmo.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo