24 de abril de 2014

Resenha: Battle Royale - Koushun Takami @GloboLivros

Informações do livro:
Título: Battle Royale
Título original: Batoru Rowaiaru
Autor: Koushun Takami
Editora: Globo Livros
Páginas: 664



Sinopse: Em 'Battle Royale' o autor se aprofunda com mais vigor no desenho psicológico dos numerosos personagens - a turma de estudantes tem 42 pessoas -, trazendo à tona informações sobre a história de cada um como forma de explicar seu comportamento e suas reações diante dos perigos do jogo pela sobrevivência. Na batalha de todos contra todos, há os que enlouquecem, os que se revoltam, os que extravasam os piores instintos, os que buscam se alienar - e até os que assumem com prazer a missão de eliminar pessoas que horas antes eram colegas de classe. Nesse ambiente, o fio do suspense se mantém esticado o tempo todo - é possível confiar em alguém? Do que um ser humano é capaz quando toda forma de violência passa a ser incentivada?



Resenha: Battle Royale” é completamente diferente das últimas histórias que li recentemente. O livro possui uma atmosfera exaltada e suspeita, fazendo com que o ritmo dos acontecimentos se torne mais ágil e sincronizado. Ocasionalmente também é possível citar várias semelhanças com outras distopias. Porém cada obra se define pelas ações e este pode ser marcado como hostil, amedrontador e muito enigmático.

Battle Royale é o nome que se dá a um tipo de luta livre profissional, só que possui definições bem peculiares e decisivas. Por meio desta pequena introdução, inicia-se, sem que houvesse algum tipo de comunicação, um jogo de vida ou morte, com várias batalhas e passagens alarmantes.

Os estudantes da turma do nono ano da escola de ensino fundamental Shiroiwa da Província de Kagawa são citados por números, além dos próprios nomes  (Ex: Yoshio  Akamatsu - estudante n* 1, Yoshitoki Kuninobu - estudante n* 7 e assim por diante). De inicio demonstram ser bem tranquilos, se relacionam normalmente com os colegas e mantém um ritmo bem estruturado. Ao todo são 42 alunos e ao longo da narrativa, também há descrições inquietantes sobre eles. Além disso, ainda é possível compreender algumas regras da região, bem como costumes e pensamentos diversos.

Disseram-lhes que estavam a caminho de uma excursão escolar, entretanto algumas coisas começaram a ficar inacreditavelmente estranhas. O ambiente se torna mais sombrio, silencioso e acomodado. Eles ficam com sono cedo demais e isso não parece o certo, pelo menos não quando deveria haver muita empolgação e divertimento por parte dos alunos.

Depois disso são considerados jogadores e durante este período de desespero (em que se encontram numa ilha misteriosa), não tem como avaliar as primeiras impressões, visto que nada parece exato e os problemas só tendem a piorar. Eles não pediram para lutar uns contra os outros, mas são forçados a tomar atitudes extremas e violentas. Assim como suas famílias também são avisadas, sendo que uns aceitam sem poder intervir e outros se revoltam e são submetidos a punições.

Repentinamente, eles se veem com colares – como se fossem coleiras – ao redor do pescoço, em forma de apropriação e segurança. Recebem uma bolsa com instrumentos julgados necessários para sobrevivência: água, alimento, armas, mapa e uma bússola. E são informados de que o objetivo principal é de matar uns aos outros.

A classe deles foi escolhida esse ano para a realização do “Programa”. As definições são claras ao dizer se tratar de um experimento do governo, para testar as habilidades dos participantes. O único sobrevivente se tornará o ganhador e receberá uma pensão vitalícia e um cartão assinado pelo soberano. Há muitas informações relevantes sobre este sistema que julga esta atitude necessária para poder defender a pátria.

Expressões firmes, irracionais, tensas e de espanto são normais ao longo dos acontecimentos e há diversas reviravoltas e surpresas cortantes. O medo e a raiva deles são visíveis e esses sentimentos tornam-se uma constante na narração. É um livro que prende o leitor por causar tanta euforia e, se demorei mais para concluir a leitura foi apenas por causa das páginas (664), porque se dependesse de mim virava dias para finalmente saber a conclusão.

A obra é imprevisível e é chocante pelos atos insensíveis. É criteriosa em distintos aspectos, pelo menos no que diz respeito que os alunos precisam ter responsabilidades e aprender a tomar decisões, independente das consequências.



“O motorista – um homem na casa dos quarenta, grisalho, de aspecto simpático, ainda usando a máscara de oxigênio que lhe deixava marcas na pele cansada – olhou com leve piedade os estudantes da turma B. Porém, tão logo outro homem apareceu sob a janela, o motorista voltou a enrijecer o rosto. Levantou o braço, oferecendo ao homem o excêntrico cumprimento padrão da República da Grande Ásia Oriental. Em seguida, apertou o botão para abrir a porta e manteve o olhar num ponto distante enquanto homens com máscaras e uniformes de batalha subiam no veículo.” Pg.35



Classificação SEL: 5/5


4 comentários:

  1. Esse livro parece ser bem interessante. É bem diferente do que eu tenho lido ultimamente e eu estou precisando de uma mudança. Adorei!

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. eu não tinha ficado muito interessada pela trama quando li a sinopse pela primeira vez, mas depois começou a surgir resenhas e eu estou ficando cada vez mais curiosa! *-*
    me lembra um pouco Jogos Vorazes, mas acho que não tanto sangrento né kkkkkk
    se bem que eu adoro ler livros assim, e é por isso que estou curiosa para ler este logo ;~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguns acreditam que a autora de jogos vorazes se baseio em B.R, até porque foi feito muito antes que jogos vorazes. Bom, eu particularmente prefiro Bettle royale, acho mais crítico e mais emocionante e original, nada contra jogos vorazes, mas como conheci primeiro beatlle royale, acho que é mais original,sabe?
      Mas como dizem: "Nada se cria, tudo se copia".
      Enfim é só lendo para saber.Mas, é uma ótima recomendação!

      Excluir
    2. Jogos Vorazes é coisa de criança se comparado à BR.
      Além de que tem muito mais enredo e que você realmente se emociona com a história dos personagens

      Excluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo