13 de abril de 2014

Resenha: Jogos do Prazer - Madeline Hunter @editoraarqueiro

Informações do livro:
Título: Jogos do Prazer
Rothwell Brothers - Livro 03
Título original: Secrets of Surrender (Rothwell Brothers #3)
Autor: Madeline Hunter
Editora: Arqueiro
Páginas: 240



Sinopse: A bela Roselyn Longworth já aceitou seu destino. Depois que o irmão fraudou o banco em que era sócio e fugiu do país levando o dinheiro dos clientes, suas finanças ficaram arruinadas, assim como suas chances de conseguir um bom casamento. Por isso foi fácil acreditar nas falsas promessas de amor de um visconde. Mas a desilusão não demorou a chegar: quando Rose não se sujeitou a seus caprichos na cama, o nobre se vingou leiloando-a durante uma festa em sua mansão. Ela acredita que o destino lhe reserva um fim trágico. Ainda mais ao ser arrematada por Kyle Bradwell, um homem que venceu na vida pelo próprio esforço, mas não é bem-vindo nos círculos mais exclusivos. Mas a jovem é surpreendida pela atitude dele, que a trata com um respeito e uma gentileza que ela não recebia desde antes do escândalo envolvendo o irmão. Quando Rose finalmente descobre o que está por trás do comportamento de Kyle, é tarde demais: já foi fisgada pelo homem que conhece seus segredos mais íntimos.



Confira também:
As regras da sedução (resenha)
Lições do desejo (resenha)



Resenha: Jogos do Prazer”, de Madeline Hunter, é o terceiro volume da série “Rothwell Brothers”.  Nessa história, o romantismo se faz mais presente e é fácil descrever as emoções diante das ações dos personagens. O ritmo de leitura é leve e ao mesmo tempo intenso, há uma enorme valorização diante de cada pensamento e atitudes. Uma coisa é certa: esta obra se mostra menos clichê em comparação aos livros anteriores.

O enredo se mostra consistente e novamente há aspectos relacionados a personalidade de mulheres destemidas, corajosas e fortes. Roselyn Longworth é irmã de Timothy Longworth (já citado nos livros anteriores) e prima de Alexia Welbourne (a protagonista de As regras da Sedução) e se encontra num momento bem complicado e difícil de sua vida. Ela perdeu toda a sua dignidade e esperança por causa de algumas atitudes de sua família e de confiar em quem só quis desonrá-la.

O lorde Norbury não gosta de ser contrariado, é uma pessoa fria, inescrupulosa e cheia de interesses. Em um momento era o homem afetuoso e em outro se tornou desprezível, sem remorsos. Conseguiu enganar Rose devido a sua inocência e em sua última cartada contra a moça resolve leiloá-la. Humilhada e chocada, a moça nunca esperava que ele fosse capaz de tal ação, ainda mais se for considerar tudo que esse homem falou a seu respeito. É algo tão sem noção que realmente dá pena de suas condições.

Kyle Bradwell é um homem cheio de mistérios, e ainda assim consegue demonstrar um carisma enorme. Ao perceber a situação em que Rose estava, ele se esforça para conseguir arrematá-la no leilão. Seu senso de humor é um dos destaques da relação e garante momentos mais leves, livres de qualquer tipo de tensão.

Como já era de se esperar, ela não se sente segura com ele, ainda mais por conta de tudo que passou. Seria uma tolice confiar em um homem novamente, mas não é possível mentir sobre a atração tão intensa dos dois. São emoções difíceis de controlar e o casal consegue demonstrar os pensamentos com exatidão, com anseios e percepções.

Kyle a surpreende por suas atitudes e por isso mesmo ela se sente tão insegura – não está acostumada com alguém carinhoso e que a escute. Suas propostas a fazer ficar sem rumo e chamam a atenção para os sentimentos de uma mulher que quer se sentir valorizada e principalmente amada.

Um livro que se mostra completo e apresenta muitas discussões, medos, descobertas e reviravoltas esperadas. É muito importante destacar a escrita, que se torna fundamental para o melhor entendimento de ambos os protagonistas. Causa mais intimidade, como se o leitor se acostumasse aos poucos e torcesse por um desfecho agradável. É mais uma obra irresistível, e todos os episódios acerca de adversidades desenvolvem um trabalho dinâmico e sensato.



“Às vezes não havia mesmo escolha. Às vezes só havia uma decisão, uma única coisa possível a fazer, se você quisesse uma chance de ser feliz”. Pg. 95



Classificação SEL: 4/5

Um comentário:

  1. essa trilogia não me interessa muito não, e confesso que sinto vontade de ler apenas pela fama da autora! hahaha
    parece ser um romance clichê mesmo, mas meio sem sal para mim ;~~

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo