31 de julho de 2014

Resenha: Invisível - David Levithan, Andrea Cremer @galerarecord

Informações do livro:
Título: Invisível
Título original: Invisibility
Autor: David Levithan, Andrea Cremer
Editora: Galera Record
Páginas: 322




Sinopse: Stephen passou a vida do lado de fora, olhando para dentro. Amaldiçoado desde o nascimento, ele é invisível. Não apenas para si mesmo, mas para todos. Não sabe como é seu próprio rosto. Ele vaga por Nova York, em um esforço contínuo para não desaparecer completamente. Mas um milagre acontece, e ele se chama Elizabeth. Recém-chegada à cidade, a garota procura exatamente o que Stephen mais odeia. A possibilidade de passar despercebida, depois de sofrer com a rejeição dos amigos à opção sexual do irmão. Perdida em pensamentos, Elizabeth não entende por que seu vizinho de apartamento não mexe um dedo quando ela derruba uma sacola de compras no chão. E Stephen não acredita no que está acontecendo... Ela o vê! Stephen tem sido invisível por praticamente toda sua vida - por causa de uma maldição que seu avô, um poderoso conjurador de maldições, lançou sobre a mãe de Stephen antes de ele nascer. Então, quando Elizabeth se muda para o prédio de Stephen em Nova York vinda do Minnesota, ninguém está mais surpreso do que ele próprio com o fato de que ela pode vê-lo. Um amor começa a surgir e quando Stephen confia em Elizebth o seu segredo, os dois decidem mergulhar de cabeça do mundo secreto dos conjuradores de maldições e dos caçadores de feitiços para descobrir uma maneira de quebrar a maldição. Mas as coisas não saem como planejado, especialmente quando o avô de Stephen chega à cidade, descontando sua raiva em todo mundo que cruza seu caminho. No final, Elizabeth e Stephen devem decidir o quão grande é o sacríficio que estão dispostos a fazer para que Stephen se torne visível - porque a resposta pode significar a diferença entre a vida e a morte. Pelo menos para Elizabeth...




Resenha:Invisível” oferece uma trama bem diferente, além de unir elementos dinâmicos como o romance e a fantasia. A história é bem surpreendente, seja por causa dos personagens e suas peculiaridades ou pelo aprofundamento dos relacionamentos. A sinopse já mostra uma pequena parte dos pequenos conflitos, mas há muito mais exploração diante de tantos devaneios e pensamentos agitados.

Stephen é um adolescente invisível perante aos outros, e isso o faz um ser bem estranho. Confesso que cheguei a imaginar que seria algum tipo de referencia sobre o garoto ser excluído ou algo do gênero, mas o fato real é que ele não consegue ser visto por ninguém mesmo. Mas como isso é possível? Eu me perguntei diversas vezes e claro que a curiosidade foi um dos principais motivos para adentrar nesta história tão dinâmica e surreal – além da capa, tão linda quanto a trama em si.

Como é mesmo de se esperar, este é um livro rodeado de questionamentos acerca desta maldição. Imagine como é a rotina dessa pessoa, já que não há contato visual e tudo parece ser muito mais solitário e complicado. A narrativa se encarrega de apresentar sua rotina, diante das experiências, seja com a família e todos os seus dramas, desde os objetos utilizados. Apesar de tudo, ele se aceita assim e aprendeu a conviver de uma maneira segura e pacífica.

Elizabeth surge em sua vida de uma forma totalmente inesperada. Stephen não poderia imaginar que ela conseguiria enxergá-lo, por isso fica extremamente surpreso e esperançoso quando ela conversa com ele. É difícil confiar quando só há incertezas, mas aos poucos a personagem vai lhe conquistando e claro que ele se apaixona. Assim, durante os diálogos cada vez mais emocionantes, os dois decidem tentar decifrar a maldição para achar algum tipo de solução.

No começo não há muito que fazer – pelo menos é o que se acha –, mas é muito bom acompanhar a intensidade dos desejos dos personagens e suas conexões marcantes. Por isso, a medida que eles se entretêm, dá para perceber que surgem novas ideias e direções, estas que são carregadas com mais lucidez.

É incrível perceber os sentimentos crescerem diante das perspectivas mais inusitadas. E foi justamente por esse detalhe que a leitura me envolveu completamente. A união de cada momento com os respectivos desejos rendem ótimas mensagens reflexivas acerca das experiências pessoais retratadas. Afinal de contas, quem nunca pensou em ser invisível? Talvez não seja algo tão compensador – além de ser bem triste – e requer muitos cuidados.




“Eu nasci invisível.
Não faço ideia de como aconteceu. Será que minha mãe foi ao hospital esperando que eu fosse apenas mais um bebê normal, visível? Ou será que acreditava na maldição, sabia o que ia acontecer e me deu à luz em segredo? É uma imagem muito estranha, até para mim: um bebê invisível, que nasceu neste mundo.” Pg.07



Classificação SEL: 5/5 


3 comentários:

  1. não conhecia este livro ainda, mas pela sua resenha parece ser ótimo!!
    uma trama bem diferente... fiquei com dó do Stephen, mas ainda assim fiquei curiosa hahaha

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia a trama do livro ainda, e quando comecei a ler a resenha, parecia que era só mais um livro de adolescente perdido na vida... mas não! o.O Parece muito incrível, adoro maldições! kkkk <3 Quero ler agora!

    Beijos! || ape56.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi :)

    Estou louco nesse livro desde o momento em que vi que a editora iria lançar. Já li Todo Dia do autor e, sem dúvida, irei comprá-lo. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo