9 de dezembro de 2014

Resenha: Fúria Vermelha - Pierce Brown @GloboLivros

Informações do livro:
Título: Fúria Vermelha
Trilogia Fúria Vermelha #1
Título original: Red Rising 
(Red Rising Trilogy #1)
Autor: Pierce Brown
Editora: Globo Livros
Páginas: 468



Sinopse: Fúria Vermelha é o primeiro volume da trilogia Fúria Vermelha, e revive o romance de ficção científica que critica com inteligência a sociedade atual. Em um futuro não tão distante, o homem já colonizou Marte e vive no planeta em uma sociedade definida por castas. Darrow é um dos jovens que vivem na base dessa pirâmide social, escavando túneis subterrâneos a mando do governo, sem ver a luz do sol. Até o dia que percebe que o mundo em que vive é uma mentira, e decide desvendar o que há por trás daquele sistema opressor. Tomado pela vingança e com a ajuda de rebeldes, Darrow vai para a superfície e se infiltra para descobrir a verdade. 'Fúria Vermelha' será adaptado para o cinema por Marc Forster, diretor de Guerra mundial Z.




LISTA DE CLASSES:
Ouros: Membros mais nobres da sociedade. Os mais fortes e belos, orgulhosos e vaidosos. Controlam toda a sociedade.
Pratas: Contabilizam e manipulam a moeda e a logística.
Brancos: Controlam a justiça e a filosofia da sociedade. São os pensadores.
Cobres: Também chamados de Centavos, administram a burocracia e o Comitê de Qualidade.
Azuis: São os viajantes e exploradores do universo.
Amarelos: Estudam os medicamentos e as ciências.
Verdes: Desenvolvem a tecnologia.
Violetas: Os criativos. Considerados artistas da sociedade.
Laranjas: Os engenheiros mecânicos. São os mais prestigiados da classe dos trabalhadores.
Cinzas: Também chamados de Latões, garantem a ordem e a hierarquia nas sociedades.
Marrons: Serviçais das tarefas cotidianas.
Obsidianos: Também chamados de Corvos. Elite militar da sociedade, garantem a proteção dos Dourados.
Rosas: São empregados e proporcionadores de prazer da alta sociedade.
Vermelhos: As formigas operárias da sociedade. A capacidade física e mental dos integrantes dessa cor é imensurável.



Resenha:Fúria Vermelha” é um livro incrível, e que trabalha com uma distopia repleta de fantasia, caracterizações fantásticas e ainda mais arriscadas. Não comecei a leitura com grandes expectativas e confesso que até estava um pouco desanimada no começo. Mas de fato esse é o melhor jeito de perceber quando um livro é bom: a história envolve sem que o leitor perceba e mostra inúmeras emoções no decorrer das cenas.

A ambientação acontece em Marte, em uma colônia futurista, e tudo parece não fazer muito sentido. Ainda bem que a própria narração, marcante e arrebatadora, consegue responder muitas perguntas referentes a costumes, idealizações e personalidades analisadas. Além disso, é perceptível o quanto o texto capta assuntos inteligentes sobre a sociedade em si e tantos outros temas intrigantes.

O personagem principal Darrow faz parte da classe vermelha, relacionados aos operários e serviços árduos. Ele pode até ter falhas, mas sua determinação é impressionante, e justamente o que o diferencia dos outros. É um misto de sentimentos tão grande sobre si e suas atitudes, que se torna até difícil expressar opiniões sem falar algo importante.

Existem regras bem rigorosas, ainda mais por causa das divisões e conflitos girando em torno de sobrevivência. Darrow parece ser bem centrado, mas sua esposa Eo pensa um pouco diferente dele. As classes dominantes acarretam diversos problemas e tudo parece girar em torno do poder mesmo. Por causa de pensamentos questionadores e situações mal resolvidas, Darrow acaba se infiltrando na superfície, entre os ouros, e começa a desvendar fatos surpreendentes e muito intricados.

O problema maior é que existem conflitos em toda parte, por isso a jornada se torna tão perigosa. Claro que Darrow não se mostra uma figura muito interessante, mas sua mudança no processo impressiona bastante e expõe novas possibilidades no enredo. Ainda mais porque começam a aparecer testes imprevistos, repletos de tensão, drama e receios.

Tem muita injustiça, poucos recursos e um alto nível de perversidade, entre outras complexidades incluídas às batalhas – que por sinal, são bem convincentes. A trama trabalha bastante com a conquista de poderes, independente dos custos. Acredito que o que mais se intensifica são as abordagens dos rebeldes e a procura por significados de existência.


“Eu poderia ter vivido em paz. Mas meus inimigos me trouxeram a guerra.” Pg.11


Classificação SEL: 5/5


3 comentários:

  1. a trama parece ser interessante, mas o gênero não me agrada muito não =/
    só esse monte de classes ai já me deixou perdida kkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Amo distopias!A capa do livro é muito bonita e o título é tão rebelde.Adorei a resenha!
    Beijos <3

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo