22 de janeiro de 2015

Resenha: A garota que tinha medo - Breno Melo, Chiado Editora

Informações do livro:
Título: A garota que tinha medo
Autor: Breno Melo
Chiado Editora
Páginas: 280




Sinopse: Marina é uma jovem que faz tratamento para a síndrome do pânico. Às voltas com o ingresso na universidade, um novo romance e novas experiências, Marina tem seu primeiro ataque de pânico. Sua vida vira de cabeça para baixo no momento mais inapropriado possível e então psiquiatras e psicólogos entram em cena. Acompanhamos suas idas ao psiquiatra e ao psicólogo, o tratamento farmacológico e a psicoterapia. Ao mesmo tempo, conhecemos detalhes de sua vida amorosa e sexual, universitária e profissional, social e familiar na medida em que elas são marcadas pela síndrome. Um tema atual. Uma excelente obra tanto para conhecimento do quadro clínico como entretenimento, narrada com maestria e de uma sensibilidade notável.



Resenha:A garota que tinha medo” é um livro sensível, que trata de problemas sérios como a síndrome do pânico e dilemas diversos. O autor Breno Melo soube explorar muito bem as fronteiras da personagem principal, fazendo analises interessantes sobre sua vida, diante de experiências conturbadas, diferentes e ainda mais importantes.

Fiquei bastante interessada pelo assunto retratado, já que é um tema relevante para ter conhecimentos mais específicos e complexos. Por falar nisso, o principal destaque segue mesmo por conta dessas passagens – repletas de expectativas – e do modo como há a inserção de todas as informações e de como são discriminadas nas cenas.

Marina faz uma narrativa complexa sobre sua rotina, suas perspectivas e tantos outros acontecimentos e descobertas recentes. É fácil perceber o quanto se sente um tanto insegura em relação a algumas escolhas, e dá até para identificar vários traços de nossa própria realidade. Fica ainda mais vulnerável quando começa a ter as crises, isso porque ela não tem como se preparar para essas ocorrências.

É uma leitura crível, sensata e muito objetiva. A gente sabe que as pessoas podem ter vários receios com transformações inesperadas, e é preciso ter muito apoio e atenção nessas horas. A narrativa também deixa claro que a conversa é um dos princípios básicos para interpretar os sinais a respeito de medos, personalidades e afins.

A época relacionada aos estudos do pré-vestibular pode demonstrar todo o medo de Marina, isso porque são situações novas e ela não sabe como agir nesses momentos. Quando sente que há a necessidade de procurar ajuda, consegue pensar bem em todas as suas atitudes, até mesmo nos seus momentos de fraqueza.

Apesar de tudo, há momentos em que o texto passa a sensação de haver certo deslocamento dos personagens apresentados. Esse detalhe pode fazer com que o leitor se sinta meio confuso nesses casos, mas é claro que são aspectos que não atrapalham de modo algum a leitura. É apenas um comentário a respeito de cenas específicas, analisadas sobre meu ponto de vista. 

“Quem supera seus medos é mais corajoso que aquele que nunca os teve ou jamais os enfrentou” Pg.183.
  
Classificação SEL: 3/5


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo