22 de maio de 2015

Resenha: O descompasso infinito do coração @BiancaBriones @Verus_Editora

Informações do livro:
Título: O descompasso infinito do coração
Batidas Perdidas #02
Autor: Bianca Briones
Editora: Verus
Páginas: 403





Sinopse: Clara acaba de descobrir a traição do marido. Com dois filhos pequenos e a baixa autoestima que a consome, ela vê sua vida mudar drasticamente, apesar do desejo de permanecer na zona de conforto. Bernardo é apaixonado por Clara desde a adolescência. Agora ele tem a chance de conquistá-la e mostrar que os dois devem finalmente ficar juntos. Mas o que parece tão simples, para ele, é complexo demais para ela. Enquanto Bernardo é preenchido por certezas, o coração de Clara é inundado de receios, traumas e dúvidas. Como viver o presente quando o passado não deixa você olhar para frente? Será que um coração despedaçado pode recuperar a capacidade de amar? E o mais importante: como se entregar de corpo e alma quando não se consegue amar nem a si mesma? Em O descompasso infinito do coração, Bianca Briones mostra que o verdadeiro amor pode resistir ao tempo e a cada obstáculo que a vida lhe impõe. Esta é uma história intensa e comovente de segredos, paixão e amizade. É a última chance de dois corações que cansaram de viver separados.




Leia também:
Batidas perdidas #1 As batidas perdidas do coração- Bianca Briones (Editora Verus)



Resenha: O descompasso infinito do coração”, de Bianca Briones, é o segundo volume da série Batidas perdidas, sendo que o primeiro se chama As batidas perdidas do coração. São histórias independentes, mas há episódios em que os personagens do primeiro aparecem, por isso é interessante conhecer toda a trama passada.

A protagonista Clara tem dois filhos e um marido, porém não se sentia tão realizada ao seu lado, mas na verdade é extremamente acomodada. Pode ser pela crise da relação, mas é claro que sempre surgem muitas dúvidas e várias inseguranças sobre decisões que envolvem o futuro. Porém muita coisa muda quando ela descobre a traição dele. Independente disso, o pior mesmo é ela não conseguir enxergar que há um amor verdadeiro e forte bem na sua frente – desde muito tempo.

Sua amiga Branca também se destaca bastante, sempre lhe dando o apoio nas horas mais necessárias e é muito divertida. Além disso, há Rafael e Viviane – os protagonistas de As batidas perdidas do coração – que também são citados em algumas situações. Há também Rodrigo, que é irmão de Viviane, sendo que os dois sempre foram amigos de Bernardo. Este que é irmão de Branca e é também o protagonista deste enredo.

Familiares também se evidenciam ao longo da história, seja por meio de encontros afetivos ou conflitos diversificados. Porém não poderia deixar de citar a Madrasta de Clara, Eva, esta que sempre esteve cheia de especulações, dramas e maldades ocultas. Tudo para se colocar em primeiro lugar e ser vista com bons olhos perante os outros.

Bernardo voltou de Londres há três anos, se formou em direito e passou no exame da Ordem dos Advogados. Ele tem uma namorada – Juliana – insensível, fria e ainda mais egoísta. E não tem jeito mesmo, se a intenção é fazer com que os leitores não gostem dela, a autora conseguiu fazer isso muito bem.

Percebe-se que Bernardo é uma pessoa bem objetiva e ao mesmo tempo dedicado em suas funções profissionais. O que mais chama a atenção é o sentimento que nutre por Branca e é bom ver que não vai desistir tão fácil dela. Seus pensamentos são tão realistas e sinceros, que em nenhum momento tem como duvidar de suas intenções.

Os trechos de músicas continuam a embalar o inicio de cada capítulo e a narrativa é alternada entre os protagonistas. A leitura é bem ágil e dinâmica, e não tem como não se envolver como os dilemas e planejamentos de cada um. Seus pontos de vista são bem explicativos e consegue repassar bem todas as emoções. Confesso também que me surpreendi bastante com o texto diante de formas de sedução e carisma.



“Quantas vezes o coração aguenta ser partido? Quantas vezes é preciso que ele seja despedaçado para podermos considerar a chance de desistir? Quando é aceitável se resignar e parar de lutar? Quantas vezes é preciso ser forte e enfrentar aquilo que nunca imaginamos passar? A verdade é que, por mais que as pessoas gostem de dizer que tudo passa, um coração partido nunca mais será uma unidade. É possível pegar os pedacinhos e colá-los um a um, mas a maioria não se encaixará direito ou ficará sobreposta. Isso quando não faltarem pequenas lascas, que nos deixarão para sempre com a sensação de ter nos perdido pelo caminho.” Pg.07

Classificação SEL: 5/5


Um comentário:

  1. aaah, comprei o primeiro livro ontem e estou doida para começar a ler *-*
    não sabia que as histórias eram independentes, pensei que fosse um continuação do outro ;o
    que bom hehe
    ambos parecem ser lindos, mas acho que o primeiro ainda vai me agradar mais ;x

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo