6 de agosto de 2015

Resenha: A garota no trem - Paula Hawkins @editorarecord

Informações do livro:
Título: A garota no trem
Título original: The Girl on the Train
Autor: Paula Hawkins
Editora: Record
Páginas: 378




Sinopse: Um dos maiores fenômenos editoriais dos últimos tempos, o thriller psicológico The Girl on the train, de Paula Hawkins, surpreendeu até mesmo seus editores e a própria autora, nascida e criada no Zimbábue, que vive em Londres desde os 17 anos: em menos de um mês, o livro – que vem sendo comparado pela crítica a uma mistura de Garota exemplar e Janela indiscreta – ultrapassou a impressionante marca de 500 mil exemplares vendidos e alcançou o primeiro lugar nas listas de mais vendidos em todos os países em que foi publicado (Reino Unido, Irlanda, EUA e Canadá) desde seu lançamento em janeiro. A trama, que gira em torno do desaparecimento de uma jovem mulher, com três narradoras femininas duvidosas, conquistou fãs como o mestre do mistério Stephen King, que publicou em sua conta do Twitter que o “excelente suspense” o manteve acordado a noite inteira: “a narradora alcoólatra é mortalmente perfeita”. O livro segue uma linha de recentes sucessos literários de uma nova geração de autoras que vem redefinindo as convenções do gênero policial, com personagens femininos complexos que fogem do estereótipo de vítimas ou megeras, e tramas que criam suspense a partir de evoluções psicológicas sutis e dinâmicas ardilosas do casamento e relacionamentos. Com os direitos vendidos para 37 países e uma adaptação para o cinema em andamento pela Dreamworks, o romance foi publicado no Brasil pela Editora Record em junho/2015, com o título A garota no trem.




Resenha: A garota no trem”, de Paula Hawkins, é um thriller psicológico instigante e cheio de surpresas inimagináveis. É impossível saber o que pode acontecer e é justamente esse detalhe que torna tudo ainda mais motivador. Além disso, os próprios personagens valorizam ainda mais os diálogos, as escolhas e as demais consequências. Fiquei muito animada com essa leitura, principalmente depois de ler tantos comentários positivos a respeito.



A narrativa é alternada entre Rachel, Megan e Anna, e expõe alguns episódios divididos nos períodos – manhã, tarde, noite ou até de madrugada - em determinados dias. Os traços individuais são tão envolventes que nos fazem perceber que pode haver algo importante a qualquer momento. E é claro que a ambientação também influencia bastante no desenvolvimento do enredo.


Rachel se sente reconfortante dentro do trem e de sua rotina simples, e é essa sensação que move seus instintos, pelo menos a principio. Se sente tranquila ao poder observar a vida de outras pessoas aleatórias, por mais que isso soe como sendo algo deprimente. E é duas vezes por dia que consegue viajar nessas visões diferentes.


É possível perceber que conhece bem o trajeto que faz e deixa claro que sente uma emoção forte por uma residência em especial, ou melhor por um casal. Jason e Jess (são nomes inventados por Rachel) são considerados perfeitos e é realmente estranho como ela pode pensar tanto neles. Mas se for pensar bem, até que é compreensível, já que é comum passar por eles e tantos outros indivíduos durante a viagem de trem.


Em certa situação Rachel pode ter certeza de achar que Jess se sente sozinha, já que seu semblante demonstra algo assim. Há muito mais a se perceber e essas descobertas podem mudar todo o contexto já conhecido. E é a partir disso que o leitor conhece a história de Jess – que na verdade é Megan – um ano antes da data atual.


O suspense está presente desde as primeiras páginas e confesso que foi um pouco difícil perceber a confiança nas narradoras. Digo isso porque o mistério é enorme, por mais que a trama seja bem dinâmica, e é claro que surgem vários questionamentos sobre certas revelações, bem como suas complexidades.


“Jess estará sentada com os pés em cima da mesa da varanda, segurando uma taça de vinho, e Jason, em pé atrás dela, com as mãos em seus ombros. Sou capaz de imaginar o toque das mãos dele, o peso delas, tranqüilizadoras, protetoras. Às vezes, me pego tentando me lembrar da última vez que tive contato físico de verdade com alguém, um abraço, um aperto de mão que seja, e sinto uma dor no coração.” Pg.16


Classificação SEL: 4/5


2 comentários:

  1. Estou com vontade de ler esse livro!

    Beijo, Fê

    ResponderExcluir
  2. Também já li! No início é um pouco chatinho.. eheh

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo