21 de janeiro de 2016

Resenha: A mentira - Helen Dunmore @EditoraNacional

Informações do livro:
Título: A mentira
Título original: The Lie
Autor: Helen Dunmore
Editora: Companhia Editora Nacional
Páginas: 295






Sinopse: Este é um romance sobre afetos e perdas que se passa no devastador cenário da Primeira Guerra Mundial. Daniel Branwell é um jovem soldado que consegue voltar no fim da guerra. No fronte, ele perde seu grande amigo de infância, Frederick Dennis. Em casa, seu retorno é para um vilarejo cheio de ausências e com a notícia do falecimento de sua mãe. Diante disso, o rapaz não se esforça para se comportar como todos esperam que ele faça, considerando que as memórias das trincheiras e de Frederick não lhe abandonam e perturbam sua mente. Neste comovente romance, reconstruir a vida após a guerra parece uma tarefa pesada demais para o protagonista. O enredo, que passeia sobre os temas da lealdade e da amizade, surpreende o leitor ao tratar das difíceis consequências que nossas escolhas têm em nossas vidas.




Resenha: A mentira”, de Helen Dunmore, apresenta uma trama discreta, sutil e ao mesmo tempo muito misteriosa. A sinopse não dá muitas pistas sobre os acontecimentos, então só nos resta supor que o personagem está vivenciando uma experiência inusitada e quase sem sentido. Aos poucos, o leitor percebe que há muitos outros detalhes importantes nessa trama e que nem tudo é o que parece ser.

Me surpreendi bastante ao perceber um enredo intenso e revelador, já que compreende os sentimentos de perda e também perseverança de um homem em busca de redenção. Daniel Branwell, assim como o próprio leitor, não faz ideia das mudanças que estão prestes a ocorrer em sua vida e se sente mais devastado a cada dia que passa.

A ambientação é fria, mesmo porque a guerra, por si só, é capaz de alterar o rumo de vários acontecimentos e não pede permissão de ninguém. Infelizmente, o cenário desta aventura se mostra extremamente complexo, principalmente por apresentar suas crueldades de perto. É algo capaz de assombrar qualquer pessoa, independente das condições que esta possa estar.

Por mais que o título deste livro dê o foco total para a mentira, acredito que o principal destaque são as implicâncias causadas por ela. Por isso mesmo que as atitudes são intencionais demais e no decorrer das cenas há maiores informações sobre o que realmente importa. E é claro que também há muita comoção em alguns episódios.

O romance é muito bem desenvolvido, assim como a descrição dos personagens se torna mais especial, ainda mais porque as lacunas começam a se preencher com cautela, despertando outras ideias e definições para os tempos especificados. Mas é preciso ter paciência para poder chegar a todas as conclusões esperadas.

E é assim que a narrativa flui de maneira calma, transmitindo um envolvimento maior com o personagem e suas lembranças mais íntimas. Começamos a perceber o quanto a guerra pode influenciar na vida de uma pessoa e como suas perder refletem em seus dias atuais, entre outros aspectos.


Classificação SEL: 4/5


4 comentários:

  1. Oi, Fê!
    Realmente mentiras tem várias implicações nas nossas vidas.
    Fiquei bem curiosa sobre a premissa do livro. Adicione o fato que curto livros que se passam em guerra.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro e gostei muito do que li na resenha. Falar de guerra ou pós-guerra é um assunto que nos faz refletir, principalmente quando relata os acontecimentos vividos por personagens fictícios ou não. Gostaria muio de ler esse livro.

    ResponderExcluir
  3. estou lendo, confesso que não gostei muito do livro, pois a narrativa me parece muito confusa. Também não entendi se no romance há uma relação gay ou de uma intensa amizade entre dois homens, pois na página 189 ao que parece o Daniel e o Frederick se beijam. Em fim, esperava mais do livro.

    ResponderExcluir
  4. estou lendo, confesso que não gostei muito do livro, pois a narrativa me parece muito confusa. Também não entendi se no romance há uma relação gay ou de uma intensa amizade entre dois homens, pois na página 189 ao que parece o Daniel e o Frederick se beijam. Em fim, esperava mais do livro.

    ResponderExcluir

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo