12 de fevereiro de 2016

Resenha: O confidente - Hélène Grémillon, Editora Aeroplano

Informações do livro:
Título: O confidente
Título original: Le Confident
Autor: Hélène Grémillon
Editora: Aeroplano
Páginas: 256






Sinopse: Paris, 1975. Depois da morte de sua mãe, Camille recebe mensagens de pêsames pelo correio e, dentre elas, uma carta estranha, escrita à mão, sem remetente e sem assinatura, lhe contando a história de um menino chamado Louis, apaixonado por Annie, dois anos mais nova que ele. Annie e Louis crescem juntos no mesmo vilarejo e se separam ainda adolescentes, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, quando a menina começa a frequentar a casa de um jovem casal rico e sem filhos, e acaba fazendo parte de uma trama implacável. O confidente é um romance magnífico e inesquecível, que mistura história de amor, suspense psicológico e relato histórico, e mantém os leitores fascinados da primeira à última linha. Para os leitores de O caçador de pipas, A culpa é das estrelas, O tempo entre costuras e O menino do pijama listrado, chega finalmente ao Brasil, o livro de maior sucesso na Europa nos últimos anos.



Resenha: O confidente”, escrito pela autora francesa Hélène Grémillon, é um romance incrível desde as primeiras páginas, seja por conta da ambientação, dos personagens ou pelas conexões feitas. E confesso ainda que esta leitura me surpreendeu bem mais que o esperado. Isso porque os detalhes são tão envolventes e determinantes, que é como se o leitor fizesse parte da história de alguma maneira.

Camille Werner começa a receber cartas de alguém disposto a lhe contar uma história de amor, ou pelo menos era o que parecia ser no começo. Seria apenas isso, ou então um engano total. O fato é que a trama, que se mostrava tão solitária, começa a ganhar vida de uma forma inimaginável. E é como se cada descoberta fizesse sentido apenas em seu momento certo.



Por fim, ela ficava esperando as cartas com um desespero aparente, como se acabasse se tornando algo dela mesma. E é claro que entendemos bem como as ligações são perceptíveis nessas narrativas. A mãe dela morreu, então essas correspondências serviram como um caminho alternativo para esquecer um pouco de seus próprios problemas.

A carta era de Louis e nem de longe parecia ser uma mensagem de pêsames. A primeira recebida estava sem assinatura, mas o manuscrito parecia ser longo e muito bem detalhado. E é assim que começamos a conviver com a escrita de Louis, e contando a respeito de Annie. As declarações são intensas e os pensamentos começam a ficar um tanto confusos pelas demais informações.

Tudo não poderia ser mais estranho, mas é inevitavelmente instigante também. A ambientação também influencia bastante na compreensão de cada atitude. Mesmo porque a relação com a Segunda Guerra Mundial é arriscada e define muitos aspectos nesse conto. E é isso que tornam as coisas mais sensíveis, misteriosas e, de certa forma, ambiciosas.

Impossível não tentar adivinhar o que pode acontecer no desfecho e imaginar as consequências das revelações. Terminei de ler e ainda me sinto perdida diante de um turbilhão de sentimentos. Tenho questionamentos a respeito rodeando a minha cabeça, e fico com uma vontade enorme de ler novos títulos dessa autora.

Classificação SEL: 4/5


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada por visitar o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre! Fê ♥

© Fernanda Prates - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design
imagem-logo